domingo, 4 de março de 2012

Compreensão crescida



Que estranhos nós somos. Que estranha de mim, me tornei. Que estranho sentir e não dizer, que estranho ter um dia e no outro não saber mais. Como se fosse sorteado. Um jogo de sorte, um dia perco e no outro ganho. Estranho te sentir. Você sente? Estranho você que parece querer o mundo, que me coloca no seu mundo e depois me tira o mundo e do seu mundo. Que estranha essa minha montanha russa sem cinto e cheia de curvas que parece a minha vida.

Creio que não há preocupação, mas digo mesmo assim só para não ocorrer erros: eu estou bem. Eu sempre fico bem e dia ou outro eu arrumo um motivo para rir dessa situação toda em que eu me meti. Arrumo motivos para chorar também e choro. E deixo como está porque todo mundo sabe que foi melhor assim.

Hoje ao me olhar no espelho fiz uma careta. Acabei percebendo que sempre faço isso, vai ver algo oculto aqui não gosta da imagem refletida. Fiz cara de limão azedo. Vai ver algo aqui dentro não anda doce. Eu quero que março seja doce. Eu quero acordar bem todos os dias, eu quero pensar em outras coisas, eu quero tanta coisa que nem sei mesmo o que quero. Quero a plenitude como amiga e a serenidade como travesseiro.

Eu tenho sido compreensão. Tenho perdido feio e apostando nos números errados, mas tenho sido de uma compreensão tão grande que sempre me surpreendo e pergunto o que diabos acontece comigo. Será que me acostumei com tudo de bom ou ruim que posso sentir? Será que o tanto faz se alojou e já não me importo mais com o que ocorre comigo? Sinto que a compreensão é boa e me deixa tranquila. Creio que seja a compreensão que tem me trazido também um sentimento de aceitação. Aceito o que eu sinto e sinto do jeito que é. Compreensão essa que me faz ter um pouco de juízo e não faz com que eu surte e grite por aí. Afinal, Eu Quero, Eu Quero, Eu Quero e finjo que não quero porque o meu querer não é só meu. Compreendo. Sigo.

Medo eu tenho de que minha compreensão seja vazia e sem luta porque eu gosto da conquista. E anda faltando conquista. E eu queria tanto dizer o que passa comigo, hoje não consigo. Queria dizer sem endereço certo porque o que quero dizer tem a sensação de muito aqui dentro. Hoje eu gostaria de falar não sei o quê. Como se quisesse ser notada ou como se procurasse conquistar com minhas palavras. Talvez eu não tenha mesmo o que dizer, mas tenha a necessidade de ser ouvida.

6 comentários:

Érica Verônica disse...

Dizem que sentimento é coisa que não se define. Por que quando fala parece mentir, e quando cala parece esquecer.

Adorei sua escrita, flor.
Beijos, e saudades.

Giuliano M. disse...

Eu nunca me dou bem quando entro nessa "montanha russa" de sentimentos... Tanto que muitas vezes fujo de tudo e vou pro meu esconderijo onde tudo é aparentemente seguro.

Espero que março seja doce pra nós, que seja dia claro, céu bonito e muitos amigos em volta.

Eu estou lendo teus versos... gosto muito!

um beijo,

Malu disse...

despir-se assim nem sempre é fácil. Só faz isso os corajosos.
Belo texto. Abraço e FELIZ DIA DAS MULHERES...

Maíra K. disse...

Não é tão fácil mostrar ao mundo, ou tentar, quem, verdadeiramente, somos nós. Se expressar é difícil. Mas o importante é sempre tentar, conseguindo ou não, tentar seguir em frente.

Laísa disse...

Narita, quando acordar se sentindo meio azeda. Dá uma rebolada. O açúcar às vezes fica lá no fundinho.

Partilhas contigo experiência e ver meu eu refletido em suas palavras, é estranho, mas é um estranho bom (risos). É sinal de que tem gente que entende a gente.

Abraços!

Laísa disse...

Narita, uma vez vi uma frase que dizia assim: quando acordar meio azeda, dá uma rebolada. O açúcar às vezes fica lá no fundinho.

Partilha vida contigo e ver estranhamente sentimentos meus expressos em suas palavras é estranho, mas é um estranho bom.

Faz a gente não se sentir uma ilha.

Abraços!

Aviso

As imagens usadas neste blog são retiradas do nosso amigo Google. Caso seja uma imagem sua, peço que me comunique, assim, colocarei os direitos. Obrigada. Peço sua compreensão.