sábado, 17 de dezembro de 2011

2011


Eu quero falar do meu 2011. Quero falar do que vi, preciso falar dos meus dias quentes e frios, quero contar sobre as coisas que lembrarei ainda que daqui vinte anos, gostaria de expor aqui um pouco do que vou guardar, e quero mostrar pra vocês, o que a partir de hoje, já faz parte de mim, do que sou e do que sobrou. Digo que foi um ano difícil, nas várias manhãs tive que me reinventar, abrir os olhos como quem quer nascer de novo, às vezes com sede de vida, outras, como se já não existisse mais.

Eu perdi e não tenho vergonha de dizer. Restaram as mágoas, os nãos e um monte de sonhos destruídos. Penso que perdi um pouco da confiança, de esperança e o pior que poderia perder: perdi um pouco do brilho que havia no meu olhar. Aguentei firme. Disso eu sinto orgulho. Aguentei como se carregasse o mundo nas costas e que ninguém de forma alguma poderia me ajudar. O mundo era meu, só eu pude saber o peso, só eu pude ter a força de segurá-lo. Como se houvesse uma fórmula que aos poucos (como se por tentativa e erro) eu fui descobrindo e traçando assim um caminho melhor, um caminho maior cheio de surpresas. Algo que jamais imaginaria.

Perdi um amor. Um amor que eu costumava chamar carinhosamente de amor da minha vida. Não sei se foi algo que eu disse, algo que fiz, mas conclui (sozinha) que foi algo que deixei de fazer. Não acho que por culpa inteiramente minha, gosto de acreditar que foi uma dessas fatalidades da vida, Deus escrevendo certo nessas minhas linhas tortas. Gosto de acreditar que foi melhor assim e que há algo muito bonito me esperando mais pra frente. Perdi. Irrecuperável. E assim tive que começar a vida de novo, aprender a andar de novo e a falar de forma diferente. O mundo ao meu redor se transformou – e eu também.

Posso dizer que ganhei. Ganhei uma falta de juízo, um bocado de experiência, ganhei noites inesquecíveis, acumulei porres, distribuí gargalhadas e conheci pessoas. Gente que se envolve no nosso caminho cheio de pedras e parece dar pezinho para que possamos conseguir atravessar alguns muros. Eu ganhei olhos novos, um coração novo e mudei, mudei, mudei. Ainda não me reconheço, não sei quem sou e não faço idéia do que quero. Apenas aprendi a me cobrar menos, a planejar quase nada e que a vida é assim mesmo, um furação, um terremoto, uns dias são de brisa outros ventanias, relâmpagos e trovões. No fim, você tem que estar preparado para tudo – mas não está. E vai assim, aos poucos, fazendo como pode e do jeito que sabe. Um estranho, um corpo em eterna mutação.

Conheci a paixão, mas uma paixão diferente. Sinto que foi diferente. Completamente descontrolada e confusa, entregue. Sei que fui envolvida. Quis ser metade, quis excluir os sentimentos que o coração guarda, mas não deu. Quando percebi havia um sentimento, uma vontade maior do que meu próprio querer. E querer parar não foi suficiente, já não obedecia. Meus pensamentos foram tomados, minhas palavras, meus dias, horas. Entreguei e recebi. Um carinho bonito, parecia amizade. Amizade com beijo (como me foi dito).  Cumplicidade, um coração carregando outro. Era como se ele me entendesse sem que eu precisasse dizer a minha história.

Um ano cheio de força que exigiu de mim maior força ainda. E eu quero que acabe. Sinto uma esperança aqui dentro. 2012 vai ser melhor, 2012 é um ano par, 2012 eu faço 22, eu estou ficando velha, 2012 vai ser melhor, eu tenho promessas novas, 2012 eu vou começar. Se for preciso eu pulo sete ondinhas, eu como lentilha e jogo pipoca pro ar fazendo pedidos. Eu só preciso que melhore, eu preciso me sentir melhor. E deposito, de forma ingênua, minha nova vida no ano que logo chegará. 

9 comentários:

vito disse...

São anos assim que fazem os próximos valerem à pena, e, por mais que achemos o contrario, eles fazem o brilho dos nossos olhos muito mais fortes. Que venha um bom e par 2012!

Tainã Almeida disse...

Os adultos vivem dizendo que a adolescência é um dos perídos mais
marcantes da vida. Mais o que o adolescente pensa disso? (sinopse do meu blog)
Acessa o meu blog?
"Blog de uma adolescente"

http://blogdeumagarotaadolescente.blogspot.com/

Espero a sua visita, se gostar do meu blog, segue lá, ficarei muito feliz.
Desde já obrigada, tenha uma ótima semana.
Atenciosamente Tainã Almeida.

! Marcelo Cândido ! disse...

2011 para mim foi um ano de muitas mudanças e novas conquistas...
Acho que comecei a ousar e isso sempre é bom
!!!

Karla disse...

Passei por momentos sinuosos tais como os teus... vi a minha história na tua histórias, que em 2012 possamos ser mais felizes, que os momentos de dor nos fortaleça!

S disse...

E quando passa os anos e a gente vai começando a se sentir velha? E quando temos um ano de decepções e conquistas?
Acho que o segredo é não ter segredo nenhum e sim não criar tantas expectativa, aprendi muito isso esse ano.
Ótima reflexão sobre o seu ano, gostei.
Beijos querida!

Dai disse...

Foi um ano longo pra caramba! Curto mas ao mesmo tempo longo, quer dizer, mal reconhece o início que tive

Você fez parte dele e do ano passado, espero que continue nesse também

Você é um fruto maduro, Sabor próprio. Jeito só seu. Que todos saibam te colher em tempo.

beijo!

Elisa Cunha disse...

Gostei... É bem assim. A gente perde pessoas, mas ganha outras depois. Nada como conhecer gente nova, sair, gargalhar, esquecer o que lhe afligia e mergulhar de vez numa nova paixão. Eu sempre digo pra mim que o ano que vem vai ser melhor, mas essa "nova vida" chega mesmo quando a gente muda. E mudamos a todo momento sendo unicamente nós mesmos. Feliz 2012 desde já pra você. E, antes, feliz Natal também!

Bjs

CLEMENTE GERMANO MULLER disse...

Estivemos juntos por mais um ano, para minha alegria, no blog, no facebook, no orkut, no e-mail, não importa, eu agradeço.

Há de ser o Natal um grande momento de paz. Há de ser o Ano Novo um tempo de amor.

Que a paz, o amor e a harmonia permaneçam em seus corações e seus lares.

Quando em minhas preces, agradeço por vocês existirem na minha vida, enxergo minha pessoa, tão frágil, tão “comum”, tão indignada com as coisas do mundo e me pergunto,como cheguei a vocês?

Sem planejar, até mesmo sem perceber, aumentou minha família.

Escuto um eco enorme à minha pequena voz... vocês apareceram na minha telinha, tão natural, tão espontâneo!

Chego a pensar que sempre foi assim. É assim!!!

Percebo ainda, que falamos em

Anas, Josés, Cecílias, Beths, Carminhas, Marias essa e aquela, Edisons, Eloys, Fátimas, Veras e tantos outros, como pessoas de minha maior convivência, na mesa do jantar, ou mesmo almoço.

Quero desejar agora;

Da minha família para a sua família, um FELIZ NATAL.

FELIZ ANO NOVO.

Que a paz do Natal se multiplique no ano que se inicia.

Obrigada por fazerem parte da minha vida.

DEUS os abençoe.

FIQUEM COM DEUS.

Rebeca Amaral disse...

Muito boa essa identificação que tenho no que tu escreve, menina. Eu poderia ter ditado boa parte parte dessa tua história. Engraçado como a vida se repete, em lugares diferentes, ao mesmo tempo. Bonito isso. Ver essa esperança transbordando das tuas letras. Também trago muito vontade de vida pra 2012. E lendo isso repito comigo: que tudo dê certo para nós.
Um beijo.

Aviso

As imagens usadas neste blog são retiradas do nosso amigo Google. Caso seja uma imagem sua, peço que me comunique, assim, colocarei os direitos. Obrigada. Peço sua compreensão.