quinta-feira, 1 de setembro de 2011

O que eu não aprendi



Com o tempo eu aprendi a lidar com algumas coisas dessa vida. Eu tropecei feio, errei, e errei mais uma vez, depois acertei e assim como qualquer ser humanóide, eu errei de novo. Pedi desculpas. Aprendi. Talvez eu vá errar de novo. Quem sabe aceitem minhas desculpas mais uma vez. A gente aprende assim, vive assim, tenta tenta tenta, erra erra erra, acerta acerta acerta. Consegui lidar com muitas coisas que passaram por mim feito um furacão, entretanto, por mais que eu tenha milhões de chances espalhadas pelo mundo, eu nunca saberei lidar com algo tão simples e tão essencial – eu nunca saberei lidar com o amor.

Eu complico mesmo. Perco a fala, o andar, perco o ar, a graça e o juízo. Perco o sono, a atenção, perco tudo procurando uma coisa só. Esqueço tudo, esqueço até de mim por lembrar do outro demais. E o coração? Esse parece existir no estômago, batendo, doendo, voando. E eu não sei lidar. É a sensação do novo que invade a minha paz costumeira. O amor é assim, não pede licença, mas pede atenção. E a gente cria, alimenta até que cresce, transborda, arrebata e nos deixa a paixão. E a paixão incomoda. Posso falar? Bicho traiçoeiro essa tal de paixão. Engana e eu gosto. Gosto e me engano. Esse é o mal. Essa é a dor.

6 comentários:

Thiago Magno disse...

Como você mesma disse, a vida é uma sucessão de tentativas - erros ( consecutivos) - até acertar aquela 1 vez.
Se você errou muito já sabe oque não fazer, e já é mais do que muita gente q acerta de primeira sabe.
Não pare de tentar, é preciso coragem, força e persistência.
Por mais que tudo diga pra largar mão, não para, quem muito insiste acaba conseguindo.

Daíse disse...

Adorei o blog!!!
Adorei o texto!!!!
Adorei poder voltar!!! Bjo!

Malu disse...

Sempre estamos aprendendo com nossos erros e nossos acertos.
A vida é assim - cada dia um momento único a nos envolver de coisas boas e não tão boas assim...
Abraços

Érica Verônica disse...

Flor, vai por mim.

Tem coisas que é bem melhor a gente não aprender a lidar. Pra não perder o gostinho de supresa, pra ser sempre diferente.

Em matéria de amor, você é bem mais evoluída do que eu, pode apostar.

Beijos, gata.
Saudades de você =)

o/

Rebeca Amaral disse...

Isso reforça a minha ideia de que é essencial montar um "Complicadores de Amor Anônimos". É uma epidemia, meu Deus!
Queria mesmo associar amor à tranquilidade, à paz, à suavidade, sei lá; porque do pouco que eu vivi só lembro de uma coisa aguda cutucando aqui por dentro, e doendo demaaaaais.
Acho que tô enjoando de amor
Acho que já desenjoei.

Pregando o desamor, essa sou eu na minha doce amargura.

Ah, um beijo, flor. Aqui continua lindo!

Carolina disse...

Lindo demais! Adorei o jeito com que você brinca com as palvras, trocando-as de lugar, experimentando outros sentidos...
Estou ansiosa pela sua participação no Meninas!

Beijos!!

Aviso

As imagens usadas neste blog são retiradas do nosso amigo Google. Caso seja uma imagem sua, peço que me comunique, assim, colocarei os direitos. Obrigada. Peço sua compreensão.