terça-feira, 26 de maio de 2009

O cão e eu

Eu sou bruta. Não se deixe enganar por este rostinho meigo e por essa voz de criancinha. Pode não parecer, eu sei, mas sou bruta, com todas as letras e sílabas e todos os significados possíveis! A brutalidade em pessoa, prazer! Veja bem, sou baixinha, esse tipo de gente pode ser assustador. É uma fúria estranha, confesso.
Lembra do Pincher, né? Bichinho estranho, eu me identifico. Essa raça de cão é bem atrevidinha, tem uma energia fodástica, grande apego pelas pessoas e o mais incrível, quando se sente ameaçado não mede forças. Você já deve ter visto, ele late, rosna, corre de um lado para o outro desesperado, mas qualquer chute faz com que o cão saia magoado e acanhado. Assim sou eu, típica eu.
E mais, ele é chato. Todo mundo diz. Cachorro chato. Eu também sou assim. Insistente, escandalosa, carente e ciumenta. Mas eu sou leal, me leva pra casa?

Minha brutalidade é como a do Pincher, é feio de se ver mas não assusta. Dá pra ver a babinha, os olhos pulando pra fora e é engraçado. O que me irrita mais.

Sou bruta dessas que grita, que chora, que tem vontade de voar no pescoço de alguém e que depois fica com a garganta doendo diante de tanta gritaria. É a falta de paciência que me afeta. Essa mania idiota de querer opinar em tudo, aliás, eu até fico calada por um bom tempo, só que a coisa fica acumulada, como um bichinho comendo o pouquinho de paciência que existe em mim e BOOM. Quando eu vi, pronto, falei. Sou assim.

Não consigo guardar por muito tempo. Conheço pessoas que são totalmente passivas, que ouvem caladas, a ofensa entra por uma orelha e lá se vai pela outra. No meu caso, por mais que digam que sou bastante bobinha (e sou mesmo), sou humana, tenho sangue quente, falo bastante, quando vejo injustiça grito mesmo. Quando tenho a certeza, quero mostrar isso, colocar em um outdoor (afinal é meio difícil isso acontecer). Não gosto de injustiça, não gosto que tratem mal meus amigos, que gritem comigo, não gosto de gente que se acha superior, de gente cheia de aiaiuiuisoufresca, me tira do sério. Tá aí, pra quem quiser ver, meu lado Pincher.

Já ouvi que guardar raiva não é bom, dá câncer. Vou duvidar? Talvez. Vou arriscar? Jamais. E ainda posso usar como desculpa. Sou um doce de pessoa, muito fácil de conviver, mas como já disse aqui milhões de vezes, SOU HUMANA. Assim como você.

4 comentários:

Érica disse...

A não ne Narinha, não Pincher, não neh. Se eu soubesse que era isso que vc estava fazendo na aula de linux, juro que tinha te xingado, ok.

Pq vc não se compara aquele de orelhinhas grandes??

kkkkk.. to zuado!

Pra sua amiga aki, vc eh uma das pessoas mais HUMANAS que eu conheço, e por isso, não cabe comparações. Por que pessoas assim como vc são raras.

te adoro tah amiga.. hje o comentario eh mais breve.

o/

Luiza disse...

"Conheço pessoas que são totalmente passivas, que ouvem caladas, a ofensa entra por uma orelha e lá se vai pela outra."

Super me lembrei da vez que a Thaís me deu uma patada. Mas eu não sou totalmente passiva!

Dango Costa disse...

Não esqueci do seu blog.. só tô sem tempo! u.u

Aline disse...

...eu sou totalmente passiva, fikdik.

Nara é dude, mano!

Aviso

As imagens usadas neste blog são retiradas do nosso amigo Google. Caso seja uma imagem sua, peço que me comunique, assim, colocarei os direitos. Obrigada. Peço sua compreensão.