domingo, 18 de novembro de 2012

Delírio



( Para ler ouvindo "Quase Um Segundo", Cazuza)


Até os sentimentos mais fortes podem ser efêmeros, até o mais eterno pode ter fim e a história do para sempre não existe mais. Não há o que medir, não tenho motivos para tentar medir e mesmo que com toda frieza numérica tento medir os sentimentos não tenho instrumentos suficientes para encontrar a medida, o volume ou o peso. Não se mede, sente. Parece fácil, parece claro, parece que isso está estampado em cor de rosa na minha testa, mas não está. Quantas vezes perguntei aos meus sentimentos o quanto eles eram grandes? Quantas vezes questionei o quanto era amada? E fiquei encucada, fiquei perplexa, fiquei medrosa, invocada e enciumada. É uma briga tentar medir o que vem dos sentimentos, é uma estupidez.

Eu tenho medo de perder e me perder. Quando perco tudo bem, tento levantar, tiro a poeira do corpo, vejo se quebrei o salto e verifico rapidamente se alguém viu - ou riu. Mas me perder por aí, isso é um perigo. Sento na calçada e fico cutucando a unha do dedinho no pé. Pareço criança resmungando. Sinto que me perco tanto em forma de relâmpagos, ideias, insights absurdos sobre a vida. Penso besteira. Idiotice. Viro uma bisbilhoteira. E tento medir o sentimento dos outros. Deixe que eu abra seu coração, entrar até a cabeça, deixa eu tirar um pouco de sangue, e medir, medir, medir, deixa eu ver o que tem aí. Quero saber, me diz com todas as letras. Não esconda nada. Eu quero estar por dentro. Não vai doer. Vai doer. E muito, em todos. É medo. É perdição. Que mergulho doentio esse o de se apaixonar. De amar. Espelhar e querer ser mundo. Meu erro é querer ser mundo.  

5 comentários:

Frau Forster disse...

Ando me segurando para medir menos e curtir mais o momento :) Amei o texto!

Bjos

Juliana Moraes Lacerda disse...

Eu também tento não medir o que sentem por mim...e isso é quase uma doença. Depois do seu texto, a música do Cazuza fez muito mais sentido.

Vi disse...

Uma das coisas mais lindas que já li!
E amor é isto: essa necessidade de medir e essa ineficácia em conseguir fazê-lo. Quando conseguirmos dimensionar os sentimentos, eles deixaram de sê-lo e passaram a ser apenas sentidos.
Espero que pessoas com essa profundidade radiante passem por minha vida.

Beijo, beijo!

Vi
www.bardodataverna.blogspot.com
Facebook

Malu disse...

Tudo é risco que temos que correr. Se perderemos ou guardaremos só o tempo nos dirá!
Lindo divagar das tuas palavras...
Abraços

Anônimo disse...

Pois é, amor é exatamente esta descrição. Feliz 18 pra ti.
Exprimir, espremendo dá letras em coerentes citações.


Meri

Aviso

As imagens usadas neste blog são retiradas do nosso amigo Google. Caso seja uma imagem sua, peço que me comunique, assim, colocarei os direitos. Obrigada. Peço sua compreensão.