sábado, 2 de janeiro de 2010

Não serviu


Um dia me disseram que quando se acredita em algo não devemos desistir. A verdade é que antes de qualquer coisa devemos acreditar mais em nós mesmos. E é difícil. Não que eu não acredite em mim, pois eu acredito e confio, só que depois de algum tempo isso vai ficando fraco e cansado.

É necessário alimentar essa confiança, mas não com comida de gente ou ração para cachorro, é necessário alimentar com fatos, realidades, provas, conquistas e reconhecimento. E por esses dias isso não aconteceu. Recebi tantos acho, talvez, quem sabe, há chances, que me doeram, palavras que simplesmente não encheram a barriga da minha confiança.

Eu sempre fui do tipo que prefere se arrepender do que fez do que se lamentar sobre o que não fez, mas nesse caso eu não sei se fiz ou deixei de fazer. Fiz com atenção o que estava ao meu alcance e ainda assim acho que não deu certo, não serviu, o pé era maior que o sapato. Fiz o que foi possível. E é disso que me arrependo, eu deveria ter feito mais, deveria ter feito o impossível, que sinceramente estava com muita cara de possível.

Quando eu procurei uma força, um ombro amigo, não me senti disposta a dividir meu fracasso com tanta gente. Era meu, tão pra mim e tão recente. Eu até projetei uma imagem ao meu lado, a mesma imagem que quero desde sempre e só assim me senti melhor.

A imaginação é mesmo uma boa companheira. Ao mesmo tempo que faz lembrar dos erros e das letras trocadas, ela pode nos trazer todo o resto, o resto que simplesmente é a parte boa, o céu azul, a nuvem leve e doce.

6 comentários:

Ana Cristina Cattete Quevedo disse...

Nara, fiquei tão sentida com esse teu post.
Me pareceu tão triste e sem esperança. Pego aqui uma carona tua :
"Fiz o que foi possível"

Só isso nos é possível, a palavra mesma o diz. Não lamente. Muityas vezes a solução não depende só de nós, mas de um conjunto de ações de outros também.

Desejo do fundo do coração que tudo se resolva.
E se precisar de alguém, além de sua sombra projetada, conte comigo.

Beijo

Ana

Luna Sanchez disse...

Nara, se fez o que foi possível, creia que esse era todo o possível que conseguia ver, no momento, mesmo que, poucos minutos depois, o possível pareça ter alargado um pouco mais.

E outra : por mais que seja importante a presença dos amigos, os ombros e colos, todos nós temos um limite para dividir fragilidades.

Força e fé, moça. E sigamos em frente. ;)

Beijos, dois.

ℓυηα

Eraldo Paulino disse...

Não se pode preencher as páginas da vida sem sujar alguns borrões...

Xerinhos!

Sil disse...

É flor...
Sei como se sente...

Mas, se algo estava a seu alcance mas não foi possível de pegá-lo, se ainda há como fazer tente... se não há mais... siga o caminho com este item da vida...

Eu concordo com as palavras do Eraldo aqui em cima...

Bjos ...

***MissUniversoPróprio*** disse...

Ain flor...quer colinho e cafuné??
Gosto de te ver assim não, viu? Fica bem!

Beijocas!

Menina Misteriosa disse...

Nara,
Pela forma consciente como falou, parece que fez o que estava a seu alcance. Não se cobre muito.
E se precisar seja de ombro, seja de alguém só para te ouvir... estou aqui!
Beijos

Aviso

As imagens usadas neste blog são retiradas do nosso amigo Google. Caso seja uma imagem sua, peço que me comunique, assim, colocarei os direitos. Obrigada. Peço sua compreensão.