sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Evitando confusões maiores


De uma coisa eu tenho certeza, odeio me sentir pressionada. Odeio sapato apertado, roupa apertada que pega embaixo do braço e que não me permite ter movimentos. Odeio me sentir dentro de uma caixinha, onde nem ao menos eu poderia esticar minhas pernas. Odeio cobranças, interrogatórios e chantagens. Odeio entrar no ônibus e perceber todas as janelas fechadas. Sou pequena, mas gosto de ter meu espaço.

Atualmente a sensação é de uma sala fechada com mais de cem pessoas e todas, sem exceção estão falando de mim, apontando para mim e fazendo comentários em alto e bom som. Não, eu não estou ficando louca e nem estou achando que o mundo é uma conspiração. Só sinto que estou pressionada, sem muito espaço, sem muitas idéias e vontade própria.

De boas intenções o inferno está cheio. Gente gosta de se envolver na vida de outra gente. Gente gosta de saber os detalhes, gosta de opinar, de dizer o que é certo e o que é errado, gosta de espalhar por aí sua vontade e dizer em tom de deboche e sabedoria: “Olha, se fosse comigo não seria desse jeito.”

Por várias vezes eu tentei ajudar. Eu fui boba, ninguém me pediu ajuda e eu meti na minha cabeça fraca que eu tinha que ajudar. É que eu me senti no meio de uma guerra, eu estava ali parada, sem arma alguma, tudo bem, eu tinha algumas informações, mas eu não sabia o que fazer com aquilo tudo e por isso eu só falei. Acho que foi por isso também que logo em seguida me vi no chão, sem ninguém para me ajudar a levantar. Nenhum dos dois lados que antes que me pedia conselhos e táticas de guerra se importaram com a minha queda. Eu não queria ter todas aquelas informações.

O que eu queria nesse momento era fazer as coisas do meu jeito. Sim, pode acreditar, eu tenho um jeito, um jeito meu, que eu mesma criei. Talvez não dê certo, talvez eu tenha que voltar atrás, mas é meu. Quando é nosso é tão mais gostoso, é tão mais Como Eu Quero. A culpa seria minha, o sucesso seria meu, o tombo seria meu, o sorriso seria meu. Eu poderia dividir com alguém sem medo algum, compartilharia sem remorso e com humildade.

Enquanto a poeira continua alta, eu tento fechar meus olhos, ouvidos e boca. Sempre vai existir alguém querendo dar a última palavra. Eu prefiro ser do grupo que quer ser a primeira a se calar.

6 comentários:

Luna Sanchez disse...

Interrogatórios são de lascar...motivação principal de todos os meus namoros rompidos. E o namorado que correu na frente e terminou antes que eu fizesse, alegou falta de atenção da minha parte, porque ele achava muito estranho eu querer ficar sozinha de vez em quando e incentivá-lo a fazer o mesmo, e também a não abrir mão dos amigos, dos próprios interesses.

Sim, eu sou uma pessoa muito estranha. Rs

* Quanto a pedir conselhos, eu também acho que devemos, sim, pedir às pessoas que sabemos gostarem de nós, terem experiência e/ou sensibilidade...mas a decisão final precisa ser nossa, sempre, autônoma. As lágrimas ou sorrisos que vierem depois, esses podem ser compartilhados, mas a responsabilidade, não.

Beijos, Nara. E hoje é sexta! \o/

ℓυηα

** Ah, claro que pode participar do grupo, sinta-se em casa. Ahahaha

Marcela disse...

narenhaaa.. adorei o jeito novo do blog! achei um charme.. queria ter tmepo pra postar no meu tbm! e menina.. pressao eh mato por aki tbm.. ateh as ferias acho q isso passa neh? rs! bjo

Érica Verônica disse...

Sempre pesso conselhos aos outros. Por que penso que quando vemos toda uma situação pelo lado de fora, podemos achar uma saída mais rápida. Como eu sempre estou do lado de dentro, não consigo enxergar o que os outros vêm.

Mas por outro lado, a decisão final sempre foi minha. Junto o conselho do outro, com o meu julgamento do que é o melhor a ser feito.. e pronto! Tah pronta a solução do problema.

Já a questão da pressão. Sei lá. Acho que lido bem com ela. A senhorita pressão virou minha companheira diária, as vezes até divido minha cama com ela (sem pensar besteiras, please). Experimenta olhar a senhorita pressão com outros olhos. Ela as vezes pode ser uma companheira e tanto.

=/

Lets disse...

A gente é feito do que faz bem e do que faz mal também sabe Nara! Algumas vezes você ganha,algumas vezes você perde.
A corrida é longa e no final, infelizmente, você conta apenas consigo mesmo.
É assim que acontece na maioria das vezes.
Não importa quem ou como você seja, pode ter certeza que alguém te admira e se espelha em você!
Muitas das vezes, sou eu mesma (rs) lendo esse blog!

Te cuida mulé =)
XXX

Daniel Cabral disse...

Você precisa criar em si essa liberdade e buscar os meios pra ser livre.... bjs

Nathy disse...

A pressão sentida é em virtude do louco mundo que vive em volta de nós.
É gente te cobrando resultado, nota, atitudes.. e você vai ter que lidar com isso!
Ajudar (ou tentar) não é ruim pekena.
Mas nem sempre é o melhor quando não nos foi pedido.
Lembra que a gente só não se arrepende do nosso silêncio.

Bejo

Aviso

As imagens usadas neste blog são retiradas do nosso amigo Google. Caso seja uma imagem sua, peço que me comunique, assim, colocarei os direitos. Obrigada. Peço sua compreensão.